6 de Agosto: o varadouro que se tornou bairro tradicional em Rio Branco

6 de Agosto: o varadouro que se tornou bairro tradicional em Rio Branco

A história do bairro 6 de Agosto se confunde com o surgimento da própria capital Rio Branco, por ter sido palco de batalha da Revolução Acreana, em 1902. O bairro surgiu a partir de um varadouro que ligava os seringais Catuaba e Volta da Empreza e por onde circulavam comboios de mulas trazendo e levando borracha e aviamento para as colocações. Por esse varadouro, Plácido de Castro atacou os bolivianos no Igarapé da Judia, em 1902.

O senhor Alberto Margarido Neto, prestes a completar 90 anos, é o morador mais antigo do bairro e sabe na ponta da língua esse episódio da revolução. “O varadouro foi o seguinte: era capim de um lado, mato do outro, e o caminho no meio. O Plácido de Castro foi da boca do Igarapé Judia até Xapuri. Foi lá que ele comandou a revolução contra os bolivianos.”

A mãe de seu Margarido faleceu quando ele tinha dois anos e, aos 15, ele ainda era analfabeto, foi quando decidiu estudar e trabalhar. “Fui criado pela minha avó, que era parteira e vivia de um lado para o outro colocando criança no mundo. Eu disse pra ela: — já tenho 15 anos e não sei nada, não sei ler, nem tenho profissão. Vou cortar seringa para arranjar dinheiro e estudar.”

Seu Margarido e dona Guajarina confeccionam bandeirolas e arranjos para o tradicional desfile de 6 de Agosto (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Seu Margarido trabalhou por cinco anos no Seringal Corredeira e conseguiu juntar um saldo de 68 mil cruzeiros, no dinheiro da época. “Pois bem, cortei seringa e quando voltei aprendi a carta do ABC com a professora Mozinha. Depois, entrei no Colégio Acreano, foi onde conheci a Guajarina. Começamos a conversar e a coisa foi indo. Assim que nos conhecemos…”

Dona Guajarina nasceu no Seringal São Luís do Remanso, mas se mudou para o Bairro Quinze aos três anos. “Fiquei lá até quando me casei. Aí o rapaz aqui [se referindo ao marido] entendeu de ir lá me buscar e eu, de besta, vim”.

Juntos, seu Margarido e professora Guajarina Lima tiveram quatro filhos e continuaram morando no bairro 6 de Agosto. “De lá pra cá, transformou muita coisa. Quando cheguei por aqui era quase tudo só mato”, relembra dona Guajarina.

Ela foi professora por quase 40 anos e é uma das fundadoras da Associação de Mulheres do Segundo Distrito, criada em 2005. A associação é voltada para ajudar mulheres a conseguir emprego por meio de cursos de capacitação, como de cabeleireira, pintura, corte e costura.

Um pouco da história

A história do tradicional bairro 6 de Agosto é contada em detalhes no livro Dez Vezes Seis, escrito por Marcus Vinícius Neves e Mauricélia Barrozo. Depois do episódio marcante da Revolução Acreana, o varadouro passou a receber o nome de Rua 6 de Agosto, em homenagem ao conflito liderado por Plácido de Castro e nunca mais teve seu nome alterado.

Quem mora na 6 de Agosto tem praticamente de tudo bem próximo (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Diferente da capital que, na época, se chamava Vila Rio Branco, localizada no Segundo Distrito, e, depois passou a se chamar Penápolis e – finalmente –, Rio Branco, a partir de 1912, já sediada no primeiro distrito da capital.

Mesmo com as mudanças no nome e na reorganização da cidade, o 6 de Agosto continuou sendo um bairro popular e movimentado. Ainda nas suas primeiras décadas de história, se instalaram por lá casas comerciais, bares, hotéis, cinema, casas de lazer, loja maçônica e centro espírita. A comunidade também continuou sendo palco da realização de eventos sociais, como procissões religiosas, desfiles cívicos e festas populares.

Hoje em dia

Jamil Farias mora no bairro há 55 anos e nem pensa em sair (Foto: Diego Gurgel/Secom)

“Morar no 6 de Agosto é tranquilo e prazeroso. É um bairro bem localizado e a gente não precisa de ônibus para se deslocar até o centro da cidade”, conta o comerciante Jamil Farias, que mora no bairro há 55 anos.

José Reginaldo Cavalcante trabalha como permissionário do Mercado 6 de Agosto há mais de 40 anos e conta que o bairro mudou muito em razão das grandes obras de infraestrutura na região, principalmente com a construção das pontes e das avenidas Ceará, Amadeo Barbosa, Getúlio Vargas e da Via Chico Mendes.

Reginaldo é permissionário do tradicional Mercado da Seis e conta que o bairro passou por muitas transformações (Foto: Diego Gurgel/Secom)

“O bairro fica no eixo central da cidade, é passagem obrigatória entre o primeiro e o segundo distrito. Com as pontes e as avenidas, ele ganhou uma dinâmica muito grande. O centro comercial está sufocado por não ter onde estacionar. Nossa reinvindicação número um é a construção de um estacionamento e o alargamento da rua principal”, relata Cavalcante.

Texto: Bleno Caleb || Fotos: Diego Gurgel