Cultura

Artista acreano expõe obras feitas com materiais descartados na natureza

Márcia Moreira
26.11.2016 7:19

A vernissage vai até o dia 30 de novembro (Foto: Cedida)

Vernissage vai até o dia 30 deste mês (Foto: Cedida)

Obras de arte com materiais descartados na natureza. Foi com essa ideia que o artista plástico Danilo de S’Acre lançou a vernissage “Ressignificações das Inutilidades”, realizada na Galeria de Arte do Sesc Centro.

Promovida desde 4 de novembro, a exposição estará disponível até dia 30 próximo, com a possibilidade de ser prorrogada até 10 de dezembro. Os horários de visitação são de segunda-feira a sábado, das 8 às 18 horas. A entrada é franca.

(Foto: Silvio Margarido)

Obras foram feitas a partir de materiais destacados na natureza (Foto: Silvio Margarido)

No local é possível, ainda, conhecer as pinturas e desenhos do artista, que foram produzidas em outros momentos.

De acordo com S’Acre, a ideia deste projeto nasceu em 2015, após dirigir o filme “Arqueologia do Recente”, que mostra alguns descasos com a natureza, com foco principal na bacia do Rio Acre. Para a sua produção, começou no início deste ano a coletar os resíduos descartados no Acre.

“Coletei muita coisa na beira do rio, na floresta e também usei paletes que as lojas não usavam mais. O conceito da vernissage é mostrar que é possível reutilizar esses materiais e dar uma nova cara”, diz Danilo.

Sobre o artista

Danilo de S’Acre nasceu em Rio Branco, no Acre, em 1958, e atua no mundo das artes como artista autodidata desde o início dos anos 70. No início da década de 80, produziu suas primeiras obras com tinta e óleo, e começou a ganhar projeção a partir disso.

Morou em Brasília e Itália, onde ficou durante 13 anos, período em que fez estágio com artistas europeus e estudou arte intensamente, além de participar de cursos em restauração de objetos etnográficos.

Expôs suas obras em Roma, Ancona, Milão, Valletri, Reggio di Calabria e San Giovanni Rotondo. Atualmente, mora na capital acreana, onde produz quadros, gravuras e ilustrações usando elementos da floresta amazônica, como sementes, fósseis, cipós e argila, além de materiais reciclados.

Mais notícias