Economia

Campus do Agronegócio movimentou R$ 42 milhões durante a Expoacre 2017

Maria Meirelles
08.08.2017 11:03

Três mil produtores visitaram o espaço durante os dias de feira (Foto: Gleilson Miranda/Secom)

O sucesso da Expoacre 2017 para setor produtivo é inegável. Somente o Campus do Agronegócio movimentou R$ 42 milhões durante o evento. O local, gerido pela Secretaria de Estado de Agricultura e Pecuária (Seap), contou com a participação de três mil produtores.

Com uma dinâmica diferenciada de atendimento ao público, o campus também reuniu as experiências e tecnologias agrícolas desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), bem como investimentos da Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Banco da Amazônia e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

José Carlos Reis, titular da Seap, destaca os resultados. “O campus reuniu conhecimento e negócio em um mesmo espaço. Gerou conhecimento para os produtores rurais, que visitaram e participaram dos cursos, e vão aplicar as experiências adquiridas em suas propriedades. Na parte de negócios, falamos em mais de R$ 40 milhões, o que mostra o quanto o setor do agronegócio é promissor no nosso estado”, salientou.

Campus reuniu as experiências das principais cadeias produtivas fomentadas pelo Estado (Foto: Gleilson Miranda/Secom)

Vitrine de todo o potencial e conquistas do governo no setor do agronegócio, o campus apresentou, principalmente, as cadeias produtivas, como a safra recorde de milho este ano – um investimento de R$ 2 milhões na produção da macaxeira -, as conquistas e avanços da pecuária e novidades no manejo sustentável, cultivo de grãos e um intenso programa de mecanização agrícola desenvolvido no Acre.

Para a analista da Embrapa Priscila Viúdes, o local tornou públicas experiências produtivas. “Para a Embrapa, foi uma oportunidade de mostrar as experiências e os resultados de anos de pesquisa. Por ali passaram uma média de três mil pessoas, que puderam adquirir mais conhecimento”, frisou.

Na consolidação do espaço, o Estado contou ainda com o apoio das secretarias de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) e de Desenvolvimento da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis (Sedens), do Instituto Federal do Acre (Ifac) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Mais notícias