Complexo Industrial Florestal de Xapuri reinicia atividades em abril

16.02.2017 15:06 Por Samuel Bryan
Tags:anac, complexo industrial de Xapuri, manejo florestal

Tião Viana vistoriou as readequações do espaço industrial em Xapuri que poderá processar 60 mil metros cúbicos de madeira anualmente e gerar 200 empregos (Foto: Sérgio Vale/Secom)

O governador Tião Viana visitou nesta quinta-feira, 16, as instalações do Complexo Industrial Florestal Xapuri. O espaço corresponde à popularmente conhecida “fábrica de pisos” do município e atualmente se encontra em fase de readequações de suas instalações para voltar a funcionar já em abril, com capacidade de processar 60 mil metros cúbicos de madeira anualmente e gerar 200 empregos em seu auge.

Hoje, nove empresas, com 70 funcionários, atuam na reforma do espaço e readequação do maquinário, num investimento de R$ 9 milhões.

O complexo agora está sob a gerência de um novo grupo de investidores chamado Agrinlog, em parceria público-privado-comunitária com a Agência de Negócios do Acre (Anac).

“Esse empreendimento representa uma enorme mudança na vida de Xapuri, sobretudo da juventude. Estamos falando de empregos com qualidade em uma indústria que se prepara para reabrir a todo vapor, beneficiando ainda cerca de 300 famílias que lidam com o manejo sustentável”, conta Tião Viana, que tem garantido apoio do governo do Estado para o sucesso da indústria.

A empresa lidará com vários tipos de produtos madeireiros oriundos do manejo sustentável, com expectativa inicial de trabalhar com 70 metros cúbicos de madeira branca e 100 metros cúbicos de madeira comum por dia.

Também haverá o compromisso de plantar 10 milhões de mudas em todo o estado, além de investir 20% do lucro líquido da empresa em projetos sociais que beneficiem Xapuri.

Grande impacto

Atualmente, 70 pessoas trabalham nas instalações do Complexo, num investimento de um novo grupo de sócios que chega a R$ 9 milhões (Foto: Sérgio Vale/Secom)

O presidente da Anac, Inácio Moreira, conta que todo o maquinário da indústria está sendo recuperado, além da aquisição de novas máquinas, como quatro processadores de bambu vindos diretamente da China.

O complexo deixará de produzir apenas pisos, mas sim todos os produtos madeireiros que o mercado exigir.

“Estamos reformulando e ampliando a planta industrial. Todo o gasto é dos novos acionistas e estamos nos preparando para a instalação do restaurante próprio e da unidade de beneficiamento de bambu. Vamos adaptando o lugar para tudo aquilo que o mercado estiver nos pautando”, explica Moreira.

O secretário de Estado de Desenvolvimento da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis (Sedens), Sibá Machado, ressaltou que o impacto de um projeto como esse será grande em Xapuri, ao assumir responsabilidades sociais e ambientais, ao mesmo tempo em que movimentará a economia e contratará mão de obra local.

“O mais importante é que estamos descentralizando a indústria de Rio Branco para o interior do estado. Xapuri já tem um polo moveleiro, a fábrica de camisinhas Natex e agora reabre sua indústria madeireira gerando mais emprego e renda na região”, ressalta.