Educação

Governo e prefeitura alinham nova fase do Programa Quero Ler em Rio Branco

Stalin Melo
12.07.2017 10:50

Meta do Programa Quero Ler é abrir 200 novas turmas em Rio Branco (Foto: Stalin Melo/SEE)

O governo do Acre, por meio da Secretaria Adjunta de Alfabetização, se reuniu com representantes municipais, no auditório da prefeitura, para alinhar a nova etapa do Programa Quero Ler em Rio Branco, que se iniciará no mês de agosto.

Com o subsecretário de Alfabetização Evaldo Viana se reuniram o secretário municipal de Educação (Seme) Márcio Batista e representantes de diversos setores municipais, como a Safra (Agricultura), Semsa (Saúde), FGB (Cultura) e Semsur (Limpeza Urbana).

Aos parceiros, o subsecretário Evaldo Viana destacou que a meta do governo é chegar, nesse momento, a 31 mil matrículas no Quero Ler para que até o final de 2018, 60 mil jovens e adultos possam estar alfabetizados e prontos para prosseguir nos estudos.

Continuidade, segundo ele, é a palavra que define a política de governo em relação a alfabetização. “Com o certificado do Quero Ler o aluno tem as habilidades básicas e já garante matrícula na Educação de Jovens e Adultos (EJA) para dar seguimento aos estudos”, afirmou.

Até 2018, o governo do Estado pretende reduzir o índice de 16,5% para 4% (ou menos) o índice de pessoas que não conseguem ler e escrever, o que tornará o Acre território livre do analfabetismo.

Na primeira etapa, em Rio Branco, foram abertas 347 turmas. Agora, nesta nova fase, a meta definida com os parceiros municipais é chegar a 200 turmas, com 100 sendo abertas agora no mês de agosto e outras 100 turmas no mês de setembro.

Subsecretário Evaldo Viana dialogando com parceiros da prefeitura sobre a nova etapa do Quero Ler (Foto: Stalin Melo/SEE)

Para o secretário municipal de Educação Márcio Batista o Quero Ler é um programa extraordinário e que, por não ter receita pronta, permite fazer os ajustes necessários para que se possa vencer os desafios. “Esse programa veio dialogar exatamente com os planos nacional, estadual e municipais de Educação”, disse.

Mais notícias