http://www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2018/11/Cerimônia-do-Pacto-de-Enfrentamento-à-LGBTfobia-Foto-Luiz-AlvesAscom-MDH-960x400.jpeg
Geral

Governo garante R$ 100 mil para a promoção da cidadania LGBT

Rose Farias
30.11.2018 10:00
Atualizado 30.11.2018 às 15:43

A Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), por meio do Conselho Estadual de Combate à Discriminação de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, garantiu o aporte de R$ 100 mil para desenvolver ações de promoção da cidadania LGBT no estado.

Fruto de alocação de emenda parlamentar do deputado federal Raimundo Angelim, o recurso contempla iniciativas que visem o enfrentamento da violência por discriminação de orientação sexual ou identidade de gênero.

O projeto “Pacto Estadual de Enfrentamento Contra a Violência LGBT” foi elaborado pelo conselho e é resultante de políticas de promoção estabelecidas pelo governo do Acre e rede de instituições parceiras.

Conselho LGBT 

Com apenas um ano de atuação, o conselho vem construindo pontes com a finalidade de formular e propor políticas públicas e diretrizes de ações governamentais e da sociedade civil, a fim de combater a LGBTfobia.

Com 28 membros, de representação do poder público estadual e da sociedade civil, para mandato de dois anos, o conselho foi criado pelo decreto n° 7.311, assinado pelo governador Tião Viana.

Conselho LGBT foi criado pelo decreto n° 7.311, assinado pelo governador Tião Viana

Para garantir o recurso destinado ao projeto, foi necessário estabelecer a federação das ações coordenadas das políticas públicas LGBT, entre governo federal e estadual.

Em maio deste ano, o governo do Acre assinou o Pacto Nacional de Enfrentamento à LGBTfobia, do Ministério de Direitos Humanos (MDH).

O coordenador da Divisão de Promoção e Cidadania LGBT da  Sejudh, Germano Marino, fez a entrega ao MDH do termo de adesão ao pacto, assinado pelo governador Tião Viana, em evento em Brasília.

Assinatura do Pacto de Enfrentamento à LGBTfobia (Foto Luiz Alves Ascom MDH)

“Esse foi um passo muito importante do governador Tião Viana, com a assinatura do termo de adesão ao pacto, pois o documento tem vigência de dois anos, no qual o governo se compromete enfrentar esse tipo de violência e discriminação às pessoas LGBTs no Acre”, explicou.

Para o coordenador a emenda  federal destinada  à Sejudh se alinha com a  proposta do Pacto Nacional de Enfrentamento  à  LGBTfobia, pois uma das demandas apresentadas pelos estados  é a destinação de recursos para execução das ações.

Pacto Estadual

O projeto da emenda “Pacto Estadual de Enfrentamento Contra a Violência LGBT”, é uma estratégia de longo alcance, no sentido de democratização do Estado, sendo de responsabilidade do conjunto de governo e não de uma área específica. Sua implementação requer uma ação coordenada e articulada de vários órgãos, secretarias e movimentos sociais.

“Esse projeto vem reforçar as ações que já estão sendo articuladas junto ao governo do Estado, MPE e as instituições da sociedade civil para que tenhamos a maior cobertura nos municípios acreanos na busca da diminuição do estigma e da violência destinadas para os cidadãos homossexuais do Acre”, disse o coordenador Germano Marino.

As ações serão executadas nos principais municípios de referência, das regionais do Alto Acre, Baixo Acre, Tarauacá/Envira, Purus, Juruá, sendo eles: (Brasileia, Cruzeiro do Sul, Sena Madureira, Tarauacá e na capital do estado do Acre, Rio Branco).

Entre os objetivos do projeto constam: investir na preparação de agentes públicos e da sociedade civil organizada na identificação e atendimento em casos de violência cometida as pessoas LGBT; promover à discussão e delineamento de políticas públicas de enfrentamento a violência e a campanha estadual “Por um Acre sem Discriminação”.

Segundo Germano Marino, é a primeira vez que o Acre, por meio das políticas afirmativas LGBT, desde o lançamento do decreto do governador Tião Viana, recebe um aporte de recurso de um parlamentar acreano, no caso, o deputado Raimundo Angelim.

“É importante lembrar que é um recurso de uma emenda parlamentar. O Estado não vai financiar com recurso próprio essa ação. Esclarecendo que o dinheiro já está depositado desde o dia primeiro de novembro. Estamos deixando esse saldo positivo para a próxima gestão, para que possa ter essa política afirmativa de enfrentamento à LGBTfobia nas regiões descritas no projeto. Isso é fruto de toda uma construção do atual governo, nosso conselho e várias instituições. Nossa gratidão ao deputado Angelim e ao governador  Tião Viana.”

Mais notícias