Lula e Papa Francisco são homenageados no Prêmio Chico Mendes de Florestania

Lula e Papa Francisco são homenageados no Prêmio Chico Mendes de Florestania

Texto de Maria Meirelles || Fotos de Gleilson Miranda || Diagramação: Secom

Rio Branco, 16 de Dezembro de 2018

Os ideais humanitários defendidos por Chico Mendes permanecem vivos, no Acre e nos corações e iniciativas de socioambientalistas e lideranças extrativistas do mundo inteiro que se fortalecem para um futuro de paz. Em meio à celebração dos 74 anos de seu aniversário, o governo do Estado realizou a 15° edição do Prêmio Chico Mendes de Florestania. A cerimônia, promovida na noite deste sábado, 15, em Xapuri, foi marcada por muita emoção.

As iniciativas que dão continuidade ao legado do maior ambientalista da América Latina, que ecoou a voz dos povos da floresta e deu início à construção de políticas públicas de base sustentável, com inclusão social e prosperidade econômica, são reconhecidas no prêmio, que desde 2004 homenageia personalidades empenhadas em consolidar esses ideais.

Um dos destaques da noite foi o reconhecimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, laureado na categoria Nacional. Amigo de Chico Mendes, na década de 1980, Lula esteve nas trincheiras de luta dos povos da floresta e de todos acreanos. Como presidente do Brasil, foi um dos impulsionadores das políticas públicas acreanas que, hoje, posicionam o estado como uma das unidades da federação com melhor qualidade de ensino e desenvolvimento sustentável. Em duas décadas, o Acre saltou de um PIB (Produto Interno Bruto) de 2 bilhões para 14 bilhões.

Em seu discurso, lido pela ambientalista Lucélia Santos, o ex-presidente Lula reafirmou a luta pela proteção da Amazônia e por políticas de inclusão. “Me emociona demais essa homenagem. Ela mostra que mesmo que hoje o dia pareça escuro, as sementes que plantamos, eu e Chico juntos, se transformaram em grandes árvores, que não serão derrubadas facilmente e que ainda darão muitos frutos e novas sementes, a serem plantadas por vocês, para um futuro melhor para o Acre, o Brasil e o mundo.”

Lucélia Santos leu o discurso do ex-presidente Lula, que recebeu o Premio Chico Mendes categoria nacional (Foto: Gleilson Miranda/Secom)

Na categoria Internacional, o prêmio foi entregue ao diretor do Programa Fundo Amazônia dentro da Cooperação Alemã GIZ,  Helmut Eger. Já a iniciativa Comunitária, Rural e Florestal foi dada a Associação Agroextrativista do Barão e Ipiranga (AAPBI), representada por Xindo Puyanawa.

“Que emoção! Meu muito obrigado ao governador Tião Viana, à família Mendes e ao bispo Dom Moacyr Grechi, que em sua fala hoje me emocionou. Ganhar o Prêmio Chico Mendes é uma grande honra, todavia, recebê-lo aqui em Xapuri, cidade símbolo da luta dos povos da floresta, tem um significado ainda maior. Guardarei esse momento para sempre no meu coração”, afirmou Helmut.

Nem mesmo o sangue de Chico Mendes foi capaz de calar a luta dos povos da floresta. Emocionada, Elenira Mendes, filha do sindicalista, rememorou as vivências ao lado pai. “Eu não poderia estar em lugar melhor que não fosse essa casa, a casa da minha infância, lugar das minhas melhores lembranças ao lado do meu pai. Xapuri hoje é palco de um encontro mundial que celebra  a vida de um filho dessa cidade, considerado um herói. Parabéns, meu pai, feliz aniversário.”

“Irmão dos acreanos”

A contribuição de Lula para o desenvolvimento do Acre e conquista de direitos dos acreanos é reconhecida por todos os companheiros, em especial, por aqueles que encabeçaram bandeiras de lutas em governos que não atediam as necessidades do povo.

O xapuriense Raimundo Mendes Barros, 73 anos, militou ao lado de Chico Mendes e se mantém como uma das principais lideranças extrativistas da atualidade. Raimundão, como é conhecido, foi porta-voz de todos os acreanos na homenagem concedida a Lula.

Ex-presidente durante visita à Peixes da Amazônia, em Senador Guiomard (Foto: Sérgio Vale/Arquivo Secom)

“Lula foi um verdadeiro baluarte de apoio e solidariedade às lutas do movimento sindical do Acre. Esteve em Xapuri várias vezes, inclusive quando assassinaram o companheiro Chico Mendes, mais uma vez estava presente prestando solidariedade à nossa luta aqui na região. Lula é irmão dos acreanos, portanto, é mais do que justo que prestemos essa homenagem a ele. Como presidente, o companheiro Lula fez coisas que nunca essa direita, malvada e perversa, e esse capitalismo selvagem fizeram. Ele deu dignidade às populações rurais e urbanas, fez com que os recursos do Brasil chegassem aos quatro cantos do país, beneficiando aqueles que nunca tiveram vez: os pobres.”

Raimundão completou seu discurso clamando por justiça. “É injusto o que o nosso companheiro sofre hoje. Aliás, todas as injustiças sofridas por Lula também são sofridas por aqueles e aquelas que desejam e precisam de respeito, dignidade e distribuição de renda, coisa que essa direita nunca fez. Queremos que a justiça seja feita, queremos Lula livre”, enfatizou.

De Francisco para Francisco

O Papa Francisco foi homenageado na categoria especial “De Francisco Para Francisco”. O prêmio em reconhecimento ao Sumo Pontífice tem o significado de louvor e vem endossar o movimento global em defesa do meio ambiente, tema que tem sido uma das preocupações do atual pontificado e que apresenta como base a sua primeira encíclica, intitulada Laudato Si (português: Louvado sejas; subtítulo: “Sobre o Cuidado da Casa Comum, 191 páginas).

Os premiados receberam o Certificado de Reconhecimento e o troféu Castanha de Bronze, confeccionado com madeira certificada. Aos que contribuíram na consolidação dos ideais de Chico Mendes, o governo do Acre concedeu honraria. Outras 30 pessoas foram homenageadas e agraciadas com certificados.

O governador Tião Viana destacou a importância de Chico para o mundo e de seguirmos replicando seus ideais. “Nós trazemos uma mensagem de encontro com a paz, esperança e a justiça no coração da Amazônia. Os homenageados são motivo de orgulho e honra para todos nós, são referências na história do Brasil, Amazônia e do Acre. Chico Mendes, que é a razão desse encontro, propôs na simplicidade uma mudança de paradigma, pois ele anteviu a mais grave crise ecológica e que suas consequências seriam imprevisíveis. Temos esperança que vamos vencer o que foi destruído pelo ódio e pela ganância”

Leia também: Papa Francisco recebe Prêmio Chico Mendes de Florestania

Confira o discurso de Lula na íntegra

“Governador Tião Viana e demais autoridades presentes,

Meus amigos, minhas amigas,

Quem conhece a natureza, como o povo do Acre conhece, quem conhece a Amazônia, quem cultiva a terra, sabe que da semente plantada até termos uma grande árvore leva tempo.

Por isso sabe quanto é importante plantar sementes na vida, cuidar com carinho e ter paciência até a árvore crescer e dar boa sombra e frutos.

Eu conheci o Chico Mendes na época da fundação do PT, junto com outros companheiros de todo país que queriam semear a luta pela democracia e justiça social. Um metalúrgico do ABC e um seringueiro de Xapuri com milhares de quilômetros de distância entre eles mas próximos no desejo de um Brasil melhor. Não éramos filhos de fazendeiros, de empresários, bacharéis. Éramos um metalúrgico e um seringueiro que percorreram longos caminhos.

Não tinha celular, não tinha internet, não tinha whatsapp, tinha telefone e olhe lá. A gente tinha mesmo era que rodar na estrada, viajar de ônibus, nos encontrar e valorizar cada encontro, cada troca de ideia.

O companheiro Chico protegia as árvores e os seus companheiros com a coragem, com seu próprio corpo. Em um fim de ano como esse, gente covarde e gananciosa achou que matando Chico, que tirando o corpo dele do caminho, iam esmagar a floresta e a esperança do povo do Acre. Eles achavam que matando Chico matariam sua luta.

Eu deixei a Marisa e as crianças às vésperas do Natal e fui em um aviãozinho me despedir do meu companheiro e falar exatamente isso para seus parentes, amigos e companheiros: as ideias de Chico continuariam vivas e cada vez mais fortes.

Hoje, 30 anos depois, podemos ver que muitas árvores nasceram das sementes plantadas pelo Chico.

O aumento da consciência ecológica dos brasileiros e no mundo todo, que resistem e irão resistir a ganância dos poderosos na proteção da Amazônia.

Com muita Justiça, tive a honra de batizar o nome do Instituto que cuida das unidades de conservação da natureza no Brasil de Chico Mendes.

O Acre era governado por gente que cortava com motosserras seus adversários. Os governos do PT no Acre, liderados pelo Tião e pelo Jorge Vianna, mudaram o estado, modernizando-o e trazendo desenvolvimento com consciência econômica e social. Não é fácil nem pouco ganhar 5 eleições seguidas. As pessoas começam a dar de barato conquistas feitas com muita luta e trabalho. Mas, meus amigos Tião e Jorge, não tenham dúvida de que vocês tem seus nomes na história do Acre e do Brasil.

A Marina Silva foi senadora, minha ministra do Meio Ambiente, depois disputou três eleições presidenciais. Como seria possível antes do Chico Mendes e do PT do Acre Xapuri ter uma filha da sua terra de origem popular candidata a presidência?

Eu hoje, infelizmente, não posso estar no Acre onde tantas vezes estive, para receber esse prêmio. Queriam matar as ideias de Chico Mendes. Querem calar as minhas. Nem entrevista me deixam dar.

Justamente por não poder estar aí com vocês, me emociona demais essa homenagem. Ela mostra que mesmo que hoje o dia pareça escuro, as sementes que plantamos, eu e Chico juntos, se transformaram em grandes árvores, que não serão derrubadas facilmente e que ainda darão muitos frutos e novas sementes, a serem plantadas por vocês, para um futuro melhor para o Acre, o Brasil e o mundo.

Muito obrigado,
Forte abraço,

Luiz Inácio Lula da Silva”

Homenageados

Homenageados

Categoria Comunitária

ASSOCIAÇÃO AGROEXTRATIVISTA PUYANAWA DO BARÃO E IPIRANGA – AAPBI

Categoria Internacional

HELMUT EGE

Categoria Nacional

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA