Esporte

PM promove aulas de jiu-jitsu para crianças carentes de escolas públicas de Rio Branco

Saulo Negreiros
10.09.2017 9:07

Como parte do trabalho comunitário desenvolvido pela instituição para as comunidades carentes do estado, o 5° Batalhão, localizado no bairro São Francisco, em Rio Branco, vem promovendo aulas gratuitas de submission, conhecido também por “jiu-jtisu sem pano”, aos alunos de escolas públicas que estudam nas proximidades da unidade militar.

Segundo o comandante do 5° Batalhão, tenente-coronel Rômulo Modesto, o projeto Em Forma com o 5° Batalhão, nome oficial da ação social, contemplará inicialmente os alunos das escolas Berta Vieira e Professora Clícia Gadelha e depois se estenderá a outras localizadas no bairro São Francisco.

Projetor visa contemplar crianças e adolescentes com bom desempenho na escola (Foto: Assessoria PMAC)

“O Em Forma com o 5° Batalhão era restrito apenas aos filhos dos militares e aos militares da corporação. Atualmente, abrimos as portas do quartel para as crianças e adolescentes a fim de trabalharmos preventivamente por meio do desporto e da disciplina militar e evitarmos, consequentemente, eventuais ações delituosas cometidas por esses jovens”, destacou o oficial.

O projeto

O trabalho de cunho comunitário é coordenado pelo sargento Ricardo Ferreira, faixa roxa de jiu-jitsu, e visa contemplar as crianças e adolescentes com bom desempenho na escola, bem como incentivar a pratica do desporto no intuito de afastá-las da ociosidade.

 Apesar da pouca estrutura logística, falta de kimonos (uniforme do praticante da modalidade desportiva) e de mais um tatame, o militar já tem mais de 30 alunos envolvidos no projeto em poucos meses de aula na unidade militar.

Ricardo Ferreira: “Desde junho as portas do quartel estão abertas para a comunidade com a intenção de trabalharmos preventivamente por meio do esporte e da disciplina militar” (Foto: Assessoria PMAC)

“Todos eles são acompanhados por mim, que também trabalho no policiamento escolar, no intuito de verificar o rendimento escolar de cada um e bonificá-los com as aulas gratuitas como forma de incentivo para que continuem se dedicando na escola e tirem boas notas”, destacou o professor Ferreira.

Para Elias Ferreira Lima, de 11 anos, aluno da escola Berta Vieira, as aulas do professor Ricardo Ferreira o ajudaram a sair do ócio e a evitar as “más amizades” que poderiam levá-lo ao uso de drogas. “Estou me dedicando tanto aqui nas aulas do professor como lá na escola onde estudo, e espero muito em breve ter minha primeira graduação no jiu-jitsu”, disse.

Mais notícias