http://www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/02/WhatsApp-Image-2019-02-01-at-15.48.33-1200x400.jpeg
Saúde

Saúde articula plano de contingência para o enfrentamento das doenças causadas pelo Aedes

Fhaidy Acosta
02.02.2019 11:47
Atualizado 02.02.2019 às 11:52

Mesmo com as ações de prevenção e promoção realizadas durante todo o ano no Acre, os casos de dengue tiveram um aumento considerável. Nesse primeiro mês de 2019 foram notificados 1.842 casos de suspeita de dengue em todo o estado. Em janeiro do ano passado foram notificados 1.227 casos suspeitos, o que representa 33% a mais no número de notificações neste ano se comparado ao mesmo período do anterior.

Em Rio Branco, no mesmo período de 2018 foram notificados 279 casos suspeitos, já em 2019 foram 1.134 casos de suspeita de dengue, o que representa um aumento de 400% nas notificações na capital.

Devido a essa variação crescente, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre), por meio da Diretoria de Vigilância em Saúde e Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Controle de Endemias, realizou na última quinta-feira,31, uma reunião de planejamento de contingência para atender aos pacientes com suspeita de dengue.

Durante a reunião ficou definido que serão feitas a capacitação e atualização dos profissionais de saúde, para que possam acolher e diagnosticar esses pacientes com mais celeridade.

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do 2° Distrito e o Centro de saúde Barral y Barral serão unidades sentinelas da doença, ou seja, locais de referência para o atendimento desses casos.

Plano de Ação

Um profissional irá capacitar os médicos e enfermeiros quanto ao manejo clínico de pacientes suspeitos do agravo, bem como o controle e uso dos insumos laboratoriais. Uma sala de situação será criada e será o local onde estarão presentes representantes de instituições públicas, a fim de promover um combate mais efetivo em diversas frentes.

“Estamos implantando o plano de contingência para que a população não fique desassistida e receba orientação e tratamento adequado”, explica Sônia Queiroz, gerente do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Controle de Endemias da Sesacre.

Mais notícias