Meio Ambiente

Tião Viana celebra cultura indígena em festival na aldeia Caucho

Arison Jardim
16.07.2017 9:23

Com longa história de exploração da seringueira na região do Rio Muru, o grupo Huni Kui da terra indígena igarapé do Caucho, em Tarauacá, fortalece suas memórias e cultura em seu festival dos legumes.

Tião Viana participou do festival e fez a entrega de benefícios aos moradores da aldeia do Caucho (Foto: Gleilson Miranda/Secom)

Em meio a cantos e danças, o governador Tião Viana esteve na aldeia, no sábado, 15, para o encerramento do encontro e entrega de benefícios para a comunidade. Reafirmando o fato de o Acre ser um dos únicos estados do Brasil que tem uma política diferenciada para os povos indígenas, o governador dançou juntos à comunidade e celebrou essa parte da cultura acreana.

A cerimônia contou com as presenças dos deputados federal, Moisés Diniz, e estadual, Jenilson Leite, além de lideranças de várias aldeias de Tarauacá e Feijó.

“Vamos valorizar nossa identidade com alegria, sem repetir os erros dos brancos mas nos dando lições do melhor aprendizado. Vamos fazer isso convivendo e respeitando”‘, falou o governador, já dentro do novo kupixaua (arena), entregue pelo Estado. Esse novo espaço, concluído este ano, por meio do programa por redução de desmatamento REM (REED+ para pioneiros), é apenas uma das ações do governo de apoio para os povos indígenas.

Ao todo, na atual gestão, já foram investidos mais de R$57 milhões nas diversas aldeias de 15 etnias existentes no Acre. São ações em diversas áreas, como educação, infraestrutura e produção. Até o fim de 2018, serão mais R$ 28 milhões. Zezinho Yube, assessor especial Para Assuntos Indígenas no Estado, fala da importância de levar esses investimentos nos festivais. “Esse é também um momento de integração dos povos indígenas, aqui temos diversos grupos da região. E o governo apoia esse fortalecimento da cultura indígena, esse anos vão ocorrer 24 festivais em todo o Acre, número que cresce a cada ano”, explica Zezinho.

Celebrando a fartura

O festival reuniu mais de 600 pessoas durante uma semana (Foto: Gleilon Miranda/Secom)

O evento que durou uma semana, acolheu 600 pessoas, desde vizinhos da terra indígena, passando por grupos de Feijó e de outras áreas de Tarauacá, até turistas da França, Nova Zelândia e outros países. É importante compreender que cada povo tem sua identidade. Essa, por exemplo, tem o objetivo de trazer mais força na colheita e, assim, cada grupo tem suas diferentes festividades. O turista que vem Acre quer conhecer essa diversidade”, explica Rachel Moreira, secretaria de Turismo do Estado.

O festival celebra as boas safras na produção de artigos como milho, mandioca, amendoim, inhame, e as diversas frutas. Inácio Kaxinawa, líder da TI do Caucho e vereador em Tarauacá, fala sobre como isso se relaciona com a identidade de seu povo. “Trabalhar com cultura é trabalhar com nossas vidas. Esse festival tem o objeto de fortalecer nossa cultura, língua e tradições. Além de também buscar aumentar nossa produção, o que tem sido um grande papel do governo Tião Viana”, afirma Inácio.

Mais notícias