https://i1.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2017/05/GUR_7323.jpg?resize=800%2C400&ssl=1
Economia

Com mecanização, mulheres vêm conquistando espaço na produção agrícola

Da Redação
21.05.2017 8:54
Atualizado 21.05.2017 às 9:28

Os equipamentos de segurança são indispensáveis, mas sem perder o estilo (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Embora a zona rural com frequência apresente hábitos conservadores, muitas camponesas têm assumido papel de destaque nas propriedades. No Acre, a introdução da mecanização agrícola e tecnologias que facilitam a realização das atividades estão abrindo espaço para que elas demonstrem sua capacidade e determinação.

A produtora Simara de Oliveira, 31 anos, três filhos, é um exemplo. Em sua área de 6,5 hectares, em Senador Guiomard, mais de metade é lavoura de mandioca. “Eu ganhei esta terra do Incra e nela busco mais uma fonte de renda [ela também trabalha na cidade na área de estética], então a mantenho sempre limpa e produtiva”, disse.

Simara conta que no ano passado pagou algo em torno de mil reais em diárias para realizar o plantio da macaxeira. “Agora, a mecanização do plantio, além de me poupar tempo, vai poupar também meu dinheiro”, afirma.

Sua produção para a próxima safra está avaliada em aproximadamente em 24 mil reais, só com o plantio de macaxeira. “Eu tento conciliar o meu trabalho no campo com o da cidade, os dois têm suas belezas e melhoram a renda da minha família”, relatou.

A organização entre os produtores agrícolas do Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Pirã de Rã, em Senador Guiomard, possibilitou parcerias entre a iniciativa privada e governo do Acre, por meio da Secretaria de Agricultura e Pecuária (Seap), garantindo a mecanização do plantio e a garantia da venda direta.

Segundo dados do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres do campo são hoje responsáveis por quase metade da renda familiar (42,4%), índice ainda superior ao das que vivem nas cidades (40,7%).

Na propriedade de Simara de Oliveira, mais da metade é lavoura de mandioca (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Mais notícias