https://i2.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2016/10/IMG-20161024-WA0001.jpg?resize=1200%2C400&ssl=1
Cultura

Conferência Mundial da Ayahuasca reuniu tradição, ciência e comunidade estrangeira

Da Redação
22.10.2016 22:18
Atualizado 24.10.2016 às 10:04

(Foto: Alexandre Noronha/Secom)

O encontro internacional se encerrou neste sábado (Foto: Alexandre Noronha/Secom)

A proposta foi ousada: uma entidade europeia promover e sediar, na Universidade Federal do Acre (Ufac), a II Conferência Mundial da Ayahuasca, bebida sacramental amazônica. De 17 a 22 de outubro, foram seis dias de programação, com dois fóruns de discussão distribuídos em cinco eixos temáticos: política e sustentabilidade, ciências sociais, religiões, ciência e questões indígenas.

O encontro foi promovido pelo Iceers (Internacional Center for Ethnobotanical Education, Research & Service/Centro Internacional para Educação Etnobotânica, Pesquisa e Serviço) de Barcelona, na Espanha.  Contou com o apoio do governo do Acre, por meio do gabinete da primeira-dama, Marlúcia Cândida, da Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM), da Secretaria de Turismo e do gabinete do senador Jorge Viana, além da Ufac.

“O Estado reconhece, abre espaço e reforça o discurso daquilo que é tradição e identidade, portanto pertinente à história do lugar, como é o caso da ayahuasca no Acre. Apoiamos os questionamentos, exposições e debates realizados, pois ilustram a riqueza e pluralidade que a humanidade possui”, afirmou a diretora-presidente da FEM, Karla Martins.

Nas mesas debatedoras, foram reunidos mais de 60 convidados, entre representações tradicionais ayahuasqueiras – indígenas e membros de comunidades religiosas –, antropólogos, biólogos, farmacólogos, médicos e juristas, de diversos países.

Somando conferencistas e público, o evento recebeu 700 pessoas. Os efeitos da ayahuasca sobre a saúde, especialmente os antidepressivos, têm despertado atenção no mundo todo, notadamente de cientistas, que estão se debruçando em pesquisas sobre a substância e as culturas nas quais está inserida.

No encerramento da conferência, as comunidades indígenas, as religiosas e a entidade organizadora apresentaram suas cartas de conclusões, com sugestões de encaminhamentos referentes a questões éticas, ambientais, culturais, de direitos humanos e de responsabilidade social. Seguiram-se apresentações artísticas.

Ao longo de toda a semana, esteve aberto ao público um festival de filmes sobre a temática ayahuasqueira, no Centro de Convenções da Ufac.

Mais notícias