https://i1.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/07/Coopercintra-Foto-Marcos-Vicentti-10.jpg?resize=1200%2C400&ssl=1
Geral

Cooperativas expõem produtos florestais não madeireiros na Expoacre

Katiúscia Miranda
30.07.2019 21:44
Atualizado 30.07.2019 às 21:46

Óleo, manteiga, sabão, sabonete e até carvão, produtos das cadeias de valor florestal não madeireiro do cocão, buriti e murmuru, estão sendo comercializados no Espaço Agroflorestal da Expoacre. As cooperativas e associações dos municípios de Tarauacá, Mâncio Lima e Rodrigues Alves são subsidiadas pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), e estão mostrando que é possível a geração de renda que estimule a conservação de florestas em pé nas comunidades tradicionais.

A Cooperativa dos Produtores de Agricultura Familiar e Economia Solidária de Nova Cintra (Coopercintra), de Rodrigues Alves, a Cooperativa de Produtores de Polpa de Frutos Nativos de Mâncio Lima (Coopfrutos) e a Cooperativa de Produtores Familiares e Economia Solidária da Floresta do Mogno (Coopermogno) estão expondo seus produtos. Associações das comunidades que residem nas Unidades de Conservação (UC) do estado também estão expondo artesanatos no mesmo espaço.

Todos que passam pelo estande da Coopercintra querem sentir o aroma dos sabonetes, do sabão e da manteiga de murmuru, usada principalmente para fabricação de cosméticos. A beleza dos produtos enche os olhos dos visitantes. “Estou achando muito importante estar na Expoacre. Muitas pessoas interessadas nos nossos produtos e estamos vendendo bem os sabonetes”, disse a cooperada Maria Aparecida.

A Coopfrutos também trouxe o óleo de buriti, principal produto, mas também está fazendo sucesso com os sabonetes e sabão fabricados de forma artesanal. “Na Expoacre podemos expor os produtos para um público bem diversificado e com isso conseguimos divulgar o nosso trabalho”, comentou a engenheira florestal Elizana Araújo.

Já no estande da Coopermogno, o que mais chama atenção é carvão do cocão. O óleo é produzido da amêndoa do coco e o restante aproveitado na produção de carvão e vem sendo muito elogiado. “O carvão do cocão tem um rendimento bem maior do que o carvão normal. Excelente o produto”, constatou o secretário de Estado de Meio Ambiente, Israel Milani.

“Estou achando muito boa a experiência de negócios e de poder expor nosso produto. Pelo que estamos percebendo, vamos vender todas as nossas sacas de carvão”, comentou animado o presidente da Coopermogno, Francisco Claudino dos Santos.

Com um estande ao lado das cooperativas, a artesã Maria do Socorro, da Associação de Produtos Rurais do Amapá, expõe pela primeira vez suas peças construídas com areia, cimento, toalha e tinta. “Essa feira é um incentivo pra gente. É a primeira vez que coloco minhas peças pra vender, na verdade comecei a fazer isso e estou gostando”, disse.

Artesã Maria do Socorro Foto: Marcos Vicentti

Coopercintra e Coopfrutos se destacam na produção de óleos. Como resultado do trabalho realizado a Coopercinta comercializou na safra 2018/2019 23 toneladas de manteiga de murmuru praticando um preço médio de R$ 28,00/kg e a Coopfrutos comercializou 4 toneladas de óleo de Buriti praticando um preço médio de R$ 40,00/kg.

Mais notícias