Meio Ambiente

Curso de Prevenção para acidentes com materiais perigosos encerra com aula prática

Da redação
18.08.2008 7:14
Atualizado 18.08.2008 às 7:14

No último dia de curso foi feita uma demonstração de uma eventual ocorrência de acidente

Com a abertura da Estrada do Pacífico em breve, o Governo do Acre trabalha em equipe para evitar acidentes envolvendo materiais perigosos. Esse é o ponto central do curso Produtos Perigosos e Resposta Rápida (P2R2). A capacitação foi realizada pela Secretaria de Meio Ambiente (Sema), em parceria com Detran, Samu, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar,  Secretarias de Saúde de Rio Branco e do Alto Acre, Defesa Civil e integração com os departamentos de Pando e Cobija, na Bolívia, e Madre de Díos, no Peru.

O curso sobre tratamento com acidentes envolvendo materiais perigosos iniciou segunda-feira, 11, indo até sexta, 15, com a demonstração de diversos equipamentos e uma numerosa equipe de colaboradores, envolvendo produtos que apresentam grande risco para a população. De acordo com o coronel e coordenador da capacitação, Henrique Albuquerque, toda a situação serviu de teste para uma possível ocorrência, e o corpo de bombeiros do Acre recebeu um grande incentivo do Governo principalmente em material necessário para atender este tipo de chamada. Com o material em mãos foi feito o treinamento dos funcionários.

Cinco ambulâncias foram usadas na ação (3 da Bolívia e 2 do Brasil), 3 carros de combate ao incêndio simulado, 4 viaturas da PM, 2 motos, 2 caminhonetes, 2 caminhões-pipa e a sucata que foi usada para representar o carro envolvido na batida com o caminhão de combustível. O major James Gomes frisou que acontecendo ou não um acidente, os bombeiros devem estar prontos para futuras eventualidades.

O sargento Eliézio, atual comandante do Agrupamento de Bombeiros do Alto Acre, esclareceu que a participação dos bombeiros neste tipo de incidente é útil, pois eles podem ajudar a conter o fogo, fazendo o reconhecimento, transporte e remoção das vítimas do local.

Segundo a coordenadora da Divisão e Gestão de Riscos da Sema, Rosana Cavalcante, todas as etapas do resgate passam por uma minuciosa avaliação de risco, para que os profissionais saibam com quais elementos químicos estão lidando. Em seguida, acontece a remoção das vítimas e um levantamento da disponibilidade de leitos hospitalares para que os mesmos recebam atendimento imediato.

Todo esse projeto demonstra o esforço do Governo em mapear áreas que oferecem mais riscos de desastres naturais ou provocados pelo homem, a exemplo de derramamento de combustíveis. Com esse estudo antecipado, os órgãos envolvidos podem se preparar da melhor forma para dar pronta resposta aos acidentes.

O projeto P2R2 atende as crescentes preocupações relacionadas aos riscos de contaminação da saúde humana e do meio ambiente. 

De acordo com Orozco, diretor do Departamento de Defesa Civil de Pando, o projeto é de extrema importância e todos se sentirão mais seguros sabendo que os bombeiros, juntamente com outras entidades, estão aptos a prestar mais um serviço de qualidade. O diretor também elogiou a experiência e o profissionalismo do corpo de bombeiros do Acre.

Depois da demonstração, o coronel Henrique se disse satisfeito com o sucesso da operação, pois não houve nenhum acidente e todos os envolvidos assimilaram a capacitação.

Ação – A simulação do acidente ocorreu na BR 317, na entrada de Epitaciolândia, envolvendo um carro e dois caminhões carregados de combustível, um após o outro. Havia em torno de quarenta voluntários no papel de vítimas do acidente simulado. A equipe de socorro chegou em seguida ao local, com cerca de 100 integrantes, sendo 4 do Peru, 40 da Bolívia, além dos brasileiros. A operação durou aproximadamente 27 minutos, primeiro, identificando o material que vazava dos caminhões e, depois, com a localização e remoção das vítimas, espalhadas ao redor do choque entre os veículos, para que as mesmas pudessem receber atendimento nos hospitais.


Galeria de imagens


{gallery}curso_quimicos{/gallery}

 

Mais notícias