https://i0.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/01/Plano-de-contigência-Odair-Leal-1-2-1.jpg?resize=800%2C400&ssl=1
Geral

Defesa Civil lança Plano Estadual de Contingência de Inundações

Viviane Teixeira
30.01.2019 15:21
Atualizado 30.01.2019 às 15:24

O Governo do Estado do Acre apresentou na manhã desta quarta-feira, 30, o Plano Estadual de Contingência de Inundações. O documento elaborado pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil reúne um conjunto de diretrizes e ações que devem ser colocadas em prática em caso de cheia dos rios.

O detalhamento do Plano foi feito pelo vice-governador, Major Rocha. Segundo ele, o governo se prepara para minimizar os danos causados pela enchente. “Vamos trabalhar num projeto maior, que deve incluir o apoio do governo federal, para fazer frente a este fenômeno e encontrar uma solução definitiva para a questão”, disse.

Vice-governador, Major Rcoha, secretário de Estado de Saúde, Alysson Bestene, e Maria Alice Araújo, secretária de Estado de Gestão Administrativa com o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Carlos Batista, e o tenente-coronel, James Joyce, em reunião de apronto para o plano de contingência (Foto: Odair Leal/Secom)

De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Batista, durante todo o inverno amazônico, entre os meses de novembro e abril, as equipes de governo mantêm o monitoramento contínuo do nível dos rios, atuando de forma preventiva. “Neste momento, com base no acompanhamento da quantidade de chuva, e analisando os impactos, a situação é de tranquilidade”.

O Plano Estadual de Contingência para inundações foi desenvolvido a partir da análise das avaliações e do mapeamento de cenários de riscos, tendo como abrangência os municípios que apresentam maior risco de inundações. O documento reúne ainda o comparativo da cota dos rios dos últimos anos.

As ações coordenadas pelo Sistema Estadual de Proteção e Defesa Civil serão desenvolvidas com as prefeituras. O tenente-coronel James Joyce explicou que o plano é dividido em etapas, começando pelo monitoramento diário dos níveis dos rios e estendendo-se aos alertas, com a emissão de aviso aos órgãos que podem ser convocadas para atuar numa resposta ao evento.

O trabalho preventivo e de acompanhamento inclui ainda uma rede de alertas, na qual a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, por meio de uma plataforma, faz a coleta de dados via satélite a cada quinze minutos.

Mais notícias