https://i0.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/05/17207344.jpeg?resize=620%2C400&ssl=1
Saúde

Dia Mundial Sem Tabaco ajuda a refletir sobre importância do combate ao tabagismo

Aleff Lima
01.06.2019 10:38
Atualizado 01.06.2019 às 10:38

O Dia Mundial Sem Tabaco é celebrado em 31 de maio. A data foi criada em 1987 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com o intuito de alertar as pessoas sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo.

O tema deste ano é ‘Tabaco e Saúde Pulmonar’. A campanha tem por objetivo enfatizar os efeitos nocivos que o tabaco causa à saúde dos pulmões, como câncer e doenças respiratórias.

De acordo com dados da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) até o ano de 2017, 10,7% da população de Rio Branco consume cigarro de tabaco.

A Coordenação Estadual de Controle do Tabagismo promove durante todo o ano palestras nas escolas estaduais, blitz educativa nos semáforos e palestras e capacitações em unidades de saúde.

Campanha tem por objetivo enfatizar os efeitos nocivos que o tabaco causa à saúde. (Foto: Francisco Cañedo/Folha de São Paulo)


Por um futuro melhor

Verônica Silva começou a fumar ainda jovem. Com 12 anos deu o primeiro trago em um cigarro e depois disso não parou mais. Depois de mais de 10 anos fumando diariamente, a motivação para parar de fumar veio de dentro dela. Verônica descobriu que estava grávida de uma menina e, a partir daquele momento, iniciou uma luta para vencer o vício.

“Eu tenho 3 filhos. 2 meninos e, por último, com 24 anos, veio o maior sonho da minha vida, a minha tão sonhada filha.  Automaticamente, quando descobri que ela viria, comecei a lutar contra esse vício. Foi uma luta que parecia não ter fim”, relembra Verônica Silva.

Ela conta que em alguns dias o corpo ‘gritava’ pedindo nicotina. “Aquilo era horrível porque, ao mesmo tempo eu tinha plena consciência do mau que o cigarro me fazia, eu sentia cansaço, minha pele envelhecia. O que mais me doía era saber que meus filhos odiavam o cheiro do cigarro e ainda assim eu continuava a fumar.”

A jovem mãe relembra que o apoio do marido, também fumante, ajudou no processo. “Dava pra sentir o cheiro do cigarro nele e dentro de casa. Foi bem difícil pra ele também”, relata Verônica.

Sem arrependimentos

Livre do vício do cigarro, Verônica afirma que não sente saudade do tempo em que fumava. “Em nenhum momento me arrependi minha decisão, não quero nunca mais na minha vida”, declara.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que mais de 7 milhões de pessoas morrem todos os anos no mundo por conta de doenças relacionadas ao tabaco. A previsão é de que esse número aumente para até 10 milhões até 2030.

O tabagismo é a principal causa de morte evitável em todo o mundo, sendo responsável por 63% dos óbitos relacionados à doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). O cigarro é responsável por 85% das mortes por doença pulmonar crônica (bronquite e enfisema), 30% por diversos tipos de câncer (pulmão, boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga, colo do útero, estômago e fígado), 25% por doença coronariana (angina e infarto) e 25% por doenças cerebrovasculares (acidente vascular cerebral – AVC), segundo a OMS.

Mais notícias