https://i0.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/03/bosco1.jpg?resize=851%2C400&ssl=1
Educação

Dom Bosco celebra dia internacional da Síndrome de Down

Stalin Melo
25.03.2019 9:48
Atualizado 25.03.2019 às 9:48

O governo do Estado do Acre através da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (SEE), por meio do Centro Educacional Dom Bosco, realizou sábado, 23, uma extensa programação no Horto Florestal para lembrar e comemorar o dia internacional da Síndrome de Down, que ocorreu na última quinta-feira, 21.

O auge das atividades no horto florestal foi o momento do abraço.
Foto: Stalin Melo

Atualmente, o Dom Bosco atende uma média de 40 alunos com síndrome de down, desde crianças até adultos. Ângela Vittorazzi, que é chefe do Centro Educacional, explica que são realizadas intervenções precoces nas crianças para que elas possam se socializar mais rapidamente e os adultos frequentam aulas diariamente.

Há também crianças que estão matriculadas no ensino regular e, no contraturno, são atendidas pelos profissionais do Atendimento Educacional Especializado (AEE) que atuam no processo de ensino e de socialização.

No Horto Florestal, as atividades se estenderam por toda a manhã. Houve desde recreação, passando pela distribuição de panfletos informativos, gincanas educativas, brincadeiras, até o momento do abraço. Diversos grupos, como a Família Down e os Amigos do Dom Bosco, participaram das comemorações, que foram abertas ao público em geral.

De acordo com a chefe do Dom Bosco, o objetivo das comemorações era informar à sociedade sobre a síndrome de down. Para ela, o preconceito ainda existente decorre da ausência correta dessas informações. “Queremos mostrar que há muito mais semelhanças do que diferenças e que a síndrome de down não se trata de uma doença”, explicou.

Sobre o dia ser comemorado em 21 de março, ela destaca que se deve ao fato de que, no par 21 há um cromossomo a mais. “Chamamos de cromossomo do amor, porque as pessoas com síndrome de down são muito mais carinhosas, amorosas e não possuem maldades”, afirma.

 

 

Mais notícias