https://i1.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/07/qq.jpg?resize=481%2C400&ssl=1
Governo

Em agenda com ministro do Meio Ambiente, Major Rocha busca desenvolvimento sustentável para o Acre

David Casseb
11.07.2019 8:37
Atualizado 11.07.2019 às 11:35

O vice-governador do Estado, Major Rocha e o secretário de Estado do Meio Ambiente, Israel Milani, participaram nesta quarta-feira, 10, de uma reunião com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, em Brasília, a fim de discutirem uma agenda de desenvolvimento sustentável comum aos estados da Amazônia. O convite foi feito pelo próprio ministro a todos os governadores da Amazônia e seus respectivos secretários de Meio Ambiente.

“O governo Federal pretende mudar a sistemática adotada anteriormente, quando se jogava para a torcida e nada de efetivo se fazia. Pretendemos estabelecer uma linha direta com todos os estados da Amazônia para que eles encontrem um caminho para o desenvolvimento com controle ambiental”, esclareceu o ministro Ricardo Salles.

Convite foi feito pelo próprio ministro a todos os governadores da Amazônia e seus respectivos secretários de Meio Ambiente Fotos: Cedidas

Major Rocha disse que o estado do Acre precisa de um olhar especial, já que as restrições impostas ao homem do campo e/ou da floresta o impedem de promover um sustento familiar condigno. “Tenho certeza de que melhores dias virão, já que os pensamentos de desenvolvimento do governo Federal se coadunam com os do governo do Acre”.

Israel Milani disse que o trabalho na gestão ambiental tem sido pautado pela desburocratização. “Visando eficácia das ações do Estado em benefício da sociedade acreana, precisamos desburocratizar algumas ações. O fluxo do licenciamento ambiental foi melhorado e estamos empenhados em trazer o desenvolvimento para o Acre, respeitando as leis ambientais”, esclareceu Milani.

O ministro colocou à disposição dos governadores e secretários todas as secretarias do ministério que cuidam desde a preservação ambiental aos contatos com órgãos internacionais, para que as ações tenham uniformidade na Amazônia.

Mais notícias