https://i1.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/08/WhatsApp-Image-2019-08-20-at-18.00.52-1.jpeg?resize=1200%2C400&ssl=1
Cultura

Estado participa da apresentação do Projeto Sabores e Saberes das Mulheres Indígenas

Luana Lima
22.08.2019 9:16
Atualizado 22.08.2019 às 10:27

Feliciana, 60 anos, conhecida pelo nome de Buní, acordou cedo para preparar a alimentação, junto a outras mulheres indígenas, que seria servida aos convidados presentes no Centro Huwã Karu Yuxibu,  na manhã de terça-feira, 21.

Com cuidado, a esposa do Pajé Isaka, enrolava na folha da bananeira, os peixes, depois de limpá-los e salgá-los. Com restos de madeira, a brasa foi feita para assar os peixes (baka kaya). Para o acompanhamento, a macaxeira (atsa muya) estava sendo cozida à parte e era temperada pelas mãos de Buní com folhas para dar o sabor. Tudo sendo preparado com muita experiência e cuidado, um alimento nutritivo e cheio de proteínas para alimentar a todos.

Baka kaya, peixe assado na folha da bananeira Foto: Marcos Vicentti/Secom

Para abrir o apetite dos convidados, Letícia Yawanawa preparava um mingau de banana feito com o mudubim, o famoso amendoim de praia, (maní mutsa tamaya) que foi degustado e apreciado por todos os presentes.

Enquanto a comida estava sendo preparada, Mirna Rosário, produtora cultural representando o cacique Mapu Huni Kuin, apreciadora da cultura indígena, chamava a todos que estavam chegando para dar abertura ao evento com os cantos dos donos da casa, o povo Huni Kuin.

Baka kaya, o peixe assado e atsa muya, a macaxeira com folhas. Foto: Marcos Vicentti/Secom

Todos iam sendo chamados para participar das danças indígenas. Ao som do tambor e do chocalho, Letícia Yawanawa pintava o rosto de todos os convidados com uma tintura à base de urucum para afastar as más energias.

O Projeto Sabores e Saberes das Mulheres Indígenas foi apresentado aos convidados que foram recebidos no Centro Huwã Karu Yuxibu, na AC 90, Transacreana, KM 36, zona rural de Rio Branco, um espaço que já existe há quatro anos e está sendo estruturado.

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Diretos Humanos e de Políticas (SEASDHM) e representantes da Secretaria de Estado de Relações Políticas e Institucionais, participaram do evento para conhecer a cultura e articular as necessidades das etnias indígenas do nosso estado.

Para a secretária Claire Cameli é de grande relevância conhecer a história e os elementos da cultura indígena, a culinária tradicional desses povos, com sua riqueza, artesanato, os cantos e sua espiritualidade.

“Queremos trabalhar com olhar diferenciado com essas comunidades, estudando o que podemos fazer para que os povos indígenas sejam fortalecidos. Nossa secretaria estará de portas abertas para receber esse povo tão rico de cultura e de história”, ressaltou a secretária de Estado, Claire Cameli.

Secretária de Estado, Claire Cameli e Letícia Yawanawa Foto: Marcos Vicentti/Secom

Representando o secretário de Relações Políticas e Institucionais, o assessor técnico Golbery Paiva destacou que o governador Gladson Cameli tem se preocupado em instalar um departamento para tratar a articulação indígena.

“No que for preciso estamos à disposição para ajudar com as políticas indigenistas, conhecendo e se sentindo parte é que poderemos saber as necessidades dos povos indígenas, momentos como esses é que reconhecemos o valor que nossa história tem”, afirmou Golbery.

Para Letícia Yawanawa o Projeto Sabores e Saberes é uma vivência de cozinhar pratos tradicionais indígenas, uma troca de conhecimento sobre práticas alimentares e a soberania alimentar indigenista.

“Nossa preocupação é passar para as próximas gerações a nossa tradição e também mostrar a nossa preocupação com a segurança alimentar de nosso povo, diante de alimentos industrializados, ricos em gordura, que fazem tanto mal a todos”, evidenciou Letícia Yawanawa.

Por meio de vivências de cozinhar, as mulheres mais velhas recordam e ensinam às mais jovens os pratos tradicionais. Esses eventos promovem uma reflexão sobre a situação atual de insegurança alimentar vivida nas suas aldeias e a busca por soluções e estratégias para superar esta realidade.

Mais notícias