https://i0.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/03/DSC_1557.jpg?resize=967%2C400&ssl=1
Saúde

Instituto de Nefrologia comemora Dia Mundial do Rim

Stalin Melo
14.03.2019 16:27
Atualizado 14.03.2019 às 16:28

O Instituto de Nefrologia da Fundação Hospitalar do Acre (Fundhacre) realizou uma importante atividade nesta quinta-feira, 14, para comemorar o Dia Mundial do Rim. As festividades, que contaram com palestras educativas e a participação de profissionais da saúde e pacientes.

Comemorações do dia mundial do rim contaram com diversas atividades no Instituto de Nefrologia.
Foto: Júnior Aguiar

A técnica responsável pelo Instituto, a médica Cremilda Oliveira Albuquerque, destacou a importância das comemorações e disse que o dia serve, entre outras coisas, para alertar as pessoas quanto aos riscos de certas doenças em decorrência do mal funcionamento dos rins.

Entre os fatores que podem contribuir para as lesões renais ela cita o sedentarismo, a obesidade, a falta de exercícios, uma dieta mal feita, além do uso indiscriminado de analgésicos e anti-inflamatórios. “Tudo isso pode provocar lesões renais nas pessoas”, explicou.

Atualmente, o setor de Nefrologia da Fundhacre atende 240 pacientes que fazem tratamento de doenças ligadas a essas lesões. Entre esses pacientes está João Euclides dos Santos, de 69 anos. Morador do ramal da Galiléia, em Rio Branco, ele fez questão de agradecer a atenção de toda a equipe para tratar sua doença.

João Euclides sobre o atendimento na fundhacre: “tratamento dez”.
Foto: Júnior Aguiar

Ele tinha os rins paralisados, mas a partir do tratamento feito pela equipe do Instituto, agora já consegue andar os 4 km do ramal.  “Eu vou e volto do ramal e não sinto mais nada”, comemora. Ele descobriu a doença em 2015, e diz que agora tem uma nova vida.  “O atendimento aqui é dez e eu agradeço aos médicos e as enfermeiras”, disse.

“Por isso esse dia é muito importante, para chamar a atenção das pessoas para certas doenças que provocam lesões renais e para o tratamento, que também é muito importante”, enfatizou a médica do Instituto.

 

Mais notícias