https://i2.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2008/06/fotos_noticias_junho_08_1_oficina_pre_seca_foto_angela_peres_04.jpg?resize=570%2C369&ssl=1
Meio Ambiente

Acre registra redução de 19% no índice de focos de calor

Da Redação
11.06.2008 11:21
Atualizado 11.06.2008 às 11:21

Realizada pelo Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), em parceria com a Secretaria do Meio Ambiente do Acre, a Oficina Pré-Seca 2008 acontece até sexta-feira, 13, no Horto Florestal de Rio Branco.

1_oficina_pre_seca_foto_angela_peres_04.jpg

Instituições ambientais do Acre, Mato Grosso e Rondônia pretendem unir esforços para enfrentar as conseqüências do período de seca. (Foto: Ângela Peres/SECOM)

Participam da abertura do encontro nesta quarta-feira, 11, profissionais da área ambiental dos estados do Acre, Mato Grosso e Rondônia. O objetivo do evento é traçar estratégias para o enfrentamento do período de seca, com enfoque em queimadas e recursos hídricos.

Na abertura da oficina, o gerente do Centro Técnico e Operacional do Sipam, Neumar Silveira, falou sobre a redução dos focos de calor registrados no Acre entre 2006 e 2007. De acordo com Silveira, o Sipam registrou no estado 4,2 mil focos de calor em 2006 e 3,2 mil no ano passado. Isso corresponde a uma redução de 19%, quando comparados os dois índices anuais. "Quarenta e seis por cento dos focos do ano passado foram registrados em áreas de manejo florestal", destacou o gerente.

A diretora-presidente do Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac), Cleísa Cartaxo, ressaltou que a realização de cursos de prevenção e alternativa ao uso do fogo nas comunidades, tem conseguido resultados satisfatórios à diminuição das queimadas, desde a seca de 2005. "Por isso esse encontro é muito importante para fazer uma troca de experiências para o enfrentamento da seca deste ano", avaliou.

O desflorestamento é outra preocupação das instituições ambientais estaduais. Segundo o superintendente do Ibama/AC, Anselmo Forneck, o Acre registrou redução no índice de desmatamento no período do último trimestre, comparado ao mesmo período do ano passado. "Diferentemente dos anos 70, hoje é a produção familiar que mais desmata, sendo ela responsável por 82% do desmatamento registrado no Acre", ressaltou.

Mais notícias