https://i2.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/08/aereo-4.jpg?resize=1200%2C400&ssl=1
Segurança

Operação de reconhecimento aéreo é realizada para evitar os crimes de fronteira

Alamara Barros
08.08.2019 12:13
Atualizado 08.08.2019 às 12:25

Uma operação de reconhecimento aéreo foi realizada nesta quarta-feira, 7, na área de fronteira Brasil-Bolívia, a fim de levantar pontos e localidades de difícil acesso como estradas vicinais, ramais, trilhas, rios e pequenos afluentes, além de pequenos portos e pistas de pouso clandestinas. A operação é realizada pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Segurança Pública, utilizando-se do Termo de Cooperação Internacional de Pando, assinado no dia 27 de julho deste ano.

Esses locais são utilizados para o cometimento de crimes fronteiriços, como abigeato (furto de animais domesticados de grande porte), contrabando, descaminho, tráfico de drogas e armas. São acessos no meio da floresta amazônica utilizadas como desvios para dificultar a fiscalização e o combate policial ao crime organizado.

Participaram da operação oficiais do Ciopaer, Policiais do FELCN da Polícia Nacional da Bolívia, e o coordenador do Gerenciamento Integrado de Fronteiras (Gefron) Foto: Ascom.

Participaram da operação oficiais do Ciopaer, policiais do FELCN da Polícia Nacional da Bolívia, sob o comando do coordenador do Gerenciamento Integrado de Fronteiras (Gefron), coronel Ulysses Araújo, tendo sido detectados e mapeados alguns pontos quentes de interesse para combater os crimes acima especificados.

“Foram tomadas as coordenadas geográficas, além das fotografias necessárias para o planejamento de uma operação de patrulha nessas áreas a serem realizadas com a implementação do Gefron. Os pontos quentes mapeados compreende localidades próximas à nova ponte do rio Madeira, Fortaleza do Abunã, Vista Alegre do Abunã, Plácido de Castro, Capixaba, Brasileia e Assis Brasil”, explicou Ulisses.

As operações do Gefron terão início na primeira quinzena de setembro. Até lá estão sendo tomadas as medidas relativas ao suporte e logística, treinamento específico, diante da complexidade e alto risco que envolve operações de combate ao narco-negócio implantado na região.

 

Mais notícias