https://i0.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/08/07cd73b7-d419-415a-90f1-03cf4c7472a9.jpg?resize=1040%2C400&ssl=1
Segurança

Polícia leva projeto Embaixada Jovem Militar a mais quatro bairros de Rio Branco

Lilia Camargo
08.08.2019 11:17
Atualizado 08.08.2019 às 11:24

Criado para proporcionar melhores oportunidades de vida a jovens em situação de vulnerabilidade social, o projeto Embaixada Jovem Militar chega em mais quatro bairros de Rio Branco na próxima semana. Os bairros contemplados serão Mocinha Magalhães, Hélio Melo, Rui Lino e Tucumã.

A reunião com os pais de candidatos interessados em participar acontecerá na terça-feira, 13, na Escola Raimundo Gomes e também na Escola de Música, ambas localizadas no bairro Tucumã.

A Embaixada Jovem Militar é um projeto idealizado pela Polícia Militar do Acre e acontece em parceria com a Secretaria Estadual de Educação, além de outras instituições não governamentais. Começou a ser implantado em junho deste ano abrangendo bairros da Baixada da Sobral e a intenção é se estender ainda ao Conjunto Habitacional Cidade do Povo e bairro Calafate.

“Nós trabalhamos em bairros onde há maior incidência criminal e observamos a existência de jovens sendo aliciados para o crime. Aquela região dos bairros Hélio Melo, Mocinha, Rui Lino se encaixam nos requisitos. A ideia é levar aos jovens de 14 a 20 anos noções de civismo, estimulando para que participem de atividades que desenvolvam a liderança e a responsabilidade, vão poder fazer cursos profissionalizantes e aqueles que estiverem prontos serão inseridos no mercado de trabalho. Com certeza, mudaremos a história de muitos jovens”, destacou o coordenador, Denilson Lopes.

O projeto foi idealizado pela Polícia Militar  Foto: Ascom/PMAC

Um levantamento feito pelo Atlas da Violência em 2018 aponta que o número de jovens assassinados no Brasil cresceu 84% nos últimos três anos. São pessoas com idades entre 15 e 29 anos em situação de vulnerabilidade social, envolvidos direta e indiretamente com organizações criminosas. O problema tem estimulado a criação de políticas públicas e estratégias que promovam a inclusão social de jovens em situação de vulnerabilidade.

“Nós investimos em projetos como este, pois entendemos que é assim que podemos vencer a violência. O que falta para muitos é oportunidade e se todos trabalharmos juntos podemos fazer a diferença na vida desses jovens. A todos que vão participar aconselho a jamais desistir, independente das dificuldades, mantendo o orgulho de suas origens e se tornando um exemplo para a vida de outras pessoas”, disse o comandante-geral da Polícia Militar, Ezequiel Bino.

Mais notícias