Operação

Polícias Militar e Civil realizam operação para coibir a comercialização de celulares e peças roubadas

Com o objetivo de combater o crime de comercialização de aparelhos celulares e peças roubadas em Rio Branco, o governo do Estado, por meio do Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp) realizou na última sexta-feira, 27, em toda a extensão do Terminal Urbano e calçadão da Benjamin Constant, uma ação de fiscalização em 117 estabelecimentos identificados pela análise criminal, promovida após levantamento da rede de Inteligência do Sisp.

De acordo com o secretário de Justiça e Segurança Pública do Acre, coronel Paulo Cézar Santos, a finalidade é não somente identificar a origem do produto bem como cadastrar junto ao Fundo Estadual de Segurança Pública e custodiar os equipamentos que podem ter vínculo com alguma ação criminosa.

“O fato de apresentar um grande desordenamento urbano no centro da cidade, dificulta a fiscalização policial e do estado como um todo, além de contribuir para que o espaço seja explorado pelo crime dando sequência à comercialização de produtos adquiridos por meio de práticas ilícitas”, completou.

A operação foi realizada em toda a extensão do Terminal Urbano e calçadão da Benjamin Constant. Foto: Ascom/Sejusp.

Segundo o comandante-geral da Polícia Militar do Acre, coronel Ezequiel Bino, o centro contabiliza maior população flutuante durante o dia e uma aglomeração comercial muito grande, por isso a necessidade da presença forte do Sistema Integrado de Segurança no local.

“A nossa presença aqui é fundamental para manter a ordem e segurança das pessoas que por aqui passam, além de fiscalizar o comércio, mais especificamente a venda ilegal de aparelhos celulares, que em grande parte nós sabemos que são frutos da prática de crimes e, com isso, combater a organização criminosa e a venda desses produtos ilícitos”, destacou.

Para o delegado-geral de Polícia Civil, Henrique Maciel, as operações integradas das polícias Militar e Civil tem mostrado resultados positivos principalmente na redução dos índices de criminalidade em todo o estado.

“Outras ações integradas virão de forma integrada não só aqui na capital, bem como em todo o estado para que possamos coibir qualquer tipo de ação criminosa, principalmente numa região como esta que é o centro, o coração de Rio Branco, onde milhares de pessoas passam e onde há uma possível comercialização de equipamentos ilícitos”, disse.

Dos 117 estabelecimentos notificados, mais de 60 compareceram ao Fundeseg para regularizar a situação. Os comerciantes que não comprovarem a legalidade do produto terão a mercadoria custodiada e aos que não comparecerem no prazo de 72 horas, será aplicada sanção administrativa e instaurado o devido inquérito policial.