https://i2.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/06/IMG-20190613-WA0018-2.jpg?resize=1032%2C400&ssl=1
Meio Ambiente

Produtoras do Acre participam de intercâmbio no Peru

Da Redação
18.06.2019 9:06
Atualizado 18.06.2019 às 9:11

Mulheres produtoras da regional do Alto Acre e produtoras de Madre de Dios e de Pando, na Bolívia, participaram de um intercâmbio realizado 14 a 16 de junho, na cidade de Puerto Maldonado, no Peru. O evento foi realizado em parceria entre o Governo do Acre, por meio do Instituto de Mudanças Climáticas e Regulação de Serviços Ambientais (IMC), e o Earth Innovation Institute – Instituto do Inovação da Terra (EII), além da Rede de Mulheres Rurais de Madre de Dios e do Fórum de Mulheres do Alto Acre.

As produtoras rurais do Acre tiveram a possibilidade de participar do Encontro de Mulheres Empresárias da Região da Macro Sul (composto por sete estados peruanos: Madre de Dios, Cusco, Arequipa, Moquegua, Puno, Tacna e Apurimac) e apresentar suas experiências empreendedoras. Entre os objetivos do intercâmbio, está a troca de experiências entre as produtoras do Acre e de Madre de Dios, possibilitando o conhecimento do protagonismo de mulheres do setor rural que trabalham com produtos de baixas emissões em suas propriedades e, assim, aprimorar e/ou entender melhor o papel da participação da mulher rural na geração de renda.

De acordo com a diretora executiva do IMC, Julie Messias, o papel da mulher na gestão de território e produção familiar tem demonstrado incremento na geração de renda familiar e uso sustentável dos recursos naturais. “Por isso é tão importante fortalecer a capacidade dessas mulheres e este intercâmbio possibilitará conhecer outros exemplos de produtoras proporcionando o aprimoramento das práticas rurais”, esclarece.

Para coordenadora do EII/AC, Elsa Mendoza, o intercâmbio contribui para que as mulheres rurais reconheçam sua importância. “Com este evento queremos promover e valorizar as mulheres que trabalham com produtos de baixas emissões e também contribuem na renda familiar. O intercâmbio com outras mulheres que trabalham na mesma linha no lado peruano, fortalecerá o conhecimento dessas produtoras”.

Um exemplo é Dóris Domingues moradora de Cobija, cidade boliviana que faz fronteira com o Brasil e participa do encontro representando 90 mulheres de várias associações produtivas. “Vim com a expectativa de aprender um pouco mais com as mulheres produtoras peruanas e brasileiras”.

É importante lembrar que a presença das mulheres rurais e a sua importância na produção agrícola familiar é um fato. Não se pode negar que elas estão ocupando terras, plantando, colhendo, cultivando, e usufruindo da terra com seu trabalho. Presentes em casa, na educação dos filhos, na roça e na luta pela terra, as mulheres ainda batalham pelo direito de serem reconhecidas como trabalhadoras.

De forma geral, desempenham um papel sócio econômico de grande importância para o Brasil, geração de emprego, renda às famílias, contribuem para a diminuição do êxodo rural, diversificação da produção e preservação do meio ambiente.

Este panorama da agricultura familiar também se estende para outros locais da bacia Amazônica, como a região da Amazônia Sul Ocidental, Acre – BR e Madre de Dios – PE. A maioria das unidades produtivas seja agrícola ou extrativista, tem por objetivo crescer de forma sustentável (produtos de baixas emissões), melhorar a qualidade de vida e viabilizar a permanência das futuras gerações.

Como parte da atividade, haverá uma coordenação das experiências, conhecimentos e práticas compartilhadas para auxiliar na elaboração de políticas de desenvolvimento rural mais adequadas para o setor da agricultura familiar, com enfoque na participação das mulheres e sua contribuição para o desenvolvimento sustentável.

“Quero conhecer o modo como trabalham, trocar experiências e voltar com mais aprendizado de outras culturas. Isso é muito bom”, enfatizou a produtora acreana de Xapuri, Mileide Santos.

Este intercâmbio tem apoio dos recursos da NORAD por meio dos projetos 3FI (Iniciativa de Florestas, Pequenos Agricultores e Finanças) e do fortalecimento do SISA Acre com aprimoramento dos seus programas, valoração dos ativos e sustentabilidade financeira de uma economia de baixas emissões.

 

Mais notícias