https://i1.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2016/09/chandless_foto_SV_15032016_01-580x348.jpg?resize=580%2C348&ssl=1
Amazônia

Redução do desmatamento ilegal no Acre é fruto de políticas públicas

Da Redação
27.09.2016 17:15
Atualizado 27.09.2016 às 17:30

As atividades econômicas são pautadas no respeito às questões ambientais e sociais (Foto: Val Fernandes/Secom)

As políticas públicas de preservação e uso sustentável da floresta, promovidas pelo governo do Estado, têm resultado na diminuição do desmatamento ilegal no Acre, aponta o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Após análise dos números do desmatamento ilegal na Amazônia, o Inpe constatou que, entre 2014 e 2015, o Acre reduziu em 15% o seu índice de desmate – nos últimos dez anos, a diminuição é de 64%.

O resultado é fruto de uma economia verde, pautada na sustentabilidade, uso racional dos recursos naturais e preservação da floresta, desenvolvida há 16 anos, especialmente com as comunidades tradicionais.

O Estado tem apostado no fortalecimento da piscicultura (Foto: Arquivo Secom)(Foto: Angela Peres/Secom)

Estado tem apostado no fortalecimento da piscicultura (Foto: Angela Peres/Secom)

Pioneiro no modelo de produção sustentável, o Estado tem apostado no fortalecimento da cadeia extrativista, incentivando a produção da castanha, látex e óleos vegetais.

A piscicultura é outra aposta da gestão do governador Tião Viana, que, ao investir na industrialização do pescado, ampliou o mercado consumidor.

Hoje, os produtos acreanos podem ser encontrados e consumidos nos grandes centros nacionais, e aos poucos ganham espaço no mercado internacional.

Mais de 90% da madeira comercializada no Estado é legalizada, oriunda dos planos de manejos comunitários elaborados pelas associações em parceria com o governo.

As atividades econômicas são pautadas no respeito às questões ambientais, sociais e climáticas. “Essa análise do Inpe mostra que estamos no caminho certo, utilizando bem nossos 87% de floresta preservada e incentivando a ocupação sustentável dos espaços abertos”, ressaltou o secretário de Estado de Meio Ambiente, Edegard de Deus.

Os 13% de áreas abertas no Acre são utilizados com foco na produção sustentável, é o que explica o secretário. “O governo atua numa política continuada, há mais de 10 anos, incentivando a piscicultura, criação de pequenos animais e plantio do açaí e da seringueira por meio do Programa de Florestas”, frisou.

Serviços ambientais

Ofício do Seringueiro está em processo para ser reconhecido como Patrimônio Imaterial do Brasil (Foto: Arquivo Secom)

Sisa estimula a preservação de riquezas naturais por meio da compensação dos serviços ambientais (Foto: Arquivo Secom)

A efetivação de uma política pública de baixa emissão de carbono refletiu diretamente nessa redução de 15% do desmatamento ilegal no Acre.

O Sistema de Incentivo aos Serviços Ambientais (Sisa) do governo do Estado estimula a preservação de riquezas naturais por meio da compensação dos serviços ambientais prestados pelos seringueiros, extrativistas, ribeirinhos, produtores e moradores das florestas do Acre.

O Programa ISA Carbono, desenvolvido pelo Sisa, recebe investimentos do Banco Alemão KfW, que subsidia a produção sustentável no estado elevando a melhoria da qualidade de vida das comunidades tradicionais e crescimento de uma nova economia, com foco na sustentabilidade e conservação ambiental.

Leia também: Acre registra redução de 15% no desmatamento de 2014 a 2015

Mais notícias