https://i1.wp.com/www.agencia.ac.gov.br/wp-content/uploads/2019/04/DSC_5965.jpg?resize=1200%2C400&ssl=1
Saúde

Saúde realiza prestação de contas do terceiro quadrimestre de 2018

Bruno Firmino
16.04.2019 9:05
Atualizado 16.04.2019 às 9:46

Apresentação das ações de saúde no terceiro quadrimestre de 2018 (Foto: Junior Aguiar/Sesacre)

A Secretaria de Estado de Saúde apresentou a prestação de contas dos investimentos e gastos com a saúde pública no estado, referente ao terceiro quadrimestre de 2018, durante Audiência Pública realizada na segunda-feira, 15, na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac).

Estiverem presentes, o deputado estadual José Bestene, presidente da Comissão de Saúde Pública da Aleac, Wilson Afonso Dias Júnior, diretor de assistência à saúde, Carlos Henrique Silva, presidente do Conselho Estadual de Saúde e Gláucio Oshiro, da promotoria especializada de defesa da saúde do Ministério Público do Estado.

Durante apresentação foi mostrado o investimento de 15,71% em ações e serviços públicos em saúde em relação ao total das receitas realizadas no período entre setembro e dezembro de 2018.

Mesmo com o capital destinado para ações direcionadas à saúde, a cooperação financeira não foi repassada para nenhuma ONG de forma integral, transferindo no máximo, e para apenas uma organização, três meses de recurso.

Das dez ONGs registradas, seis não receberam nada no quadrimestre analisado, como a Associação dos Portadores de Hepatite do Acre e a Associação de Redução de Danos do Acre.

A receita dirigida à saúde realizada neste período foi de R$ 1,5 bilhão, apenas 39,46% do que foi previsto para o quadrimestre. Demonstrando ineficiência no que era esperado. Dados como o total das despesas com saúde também foram apresentados, onde R$ 348,2 milhões foram divididos entre pessoal e encargos sociais, investimentos e outras despesas correntes.

“Pretendemos apresentar melhores índices com relação ao primeiro quadrimestre de 2019. Como foi mostrado, a gestão anterior da Sesacre, deixou de fazer o repasse para várias instituições e convênios, o que veio a prejudicar o funcionamento dos serviços de saúde nos primeiros meses de 2019. Estamos trabalhando para reorganizar os serviços, para que possamos ofertar uma saúde digna à nossa população”, destaca Wilson Dias.

Mais notícias